Bem-Vindos. Sentem-se em volta da fogueira, peguem uma xícara de chá e comecemos a aprender os mistérios antigos e a desvendar segredos esquecidos.
Trilhem connosco a floresta sobre o olhar atento da Lua...

Novos artigos serão sempre publicados à segunda-feira e à sexta-feira.




segunda-feira, 11 de julho de 2016

Conceitos: Paganismo, Bruxaria e Wicca


Uma das principais dificuldades de quem está a começar a estudar Paganismo e Bruxaria é a clarificação dos conceitos, dado que estes são muito confundidos na maioria dos sites e livros. Este artigo pretende esclarecer alguns conceitos principais do começo do seu estudo. Claro que, como creio ser óbvio, estas definições não são as "certas" nem as "erradas". São uma das várias definições que podem ser dadas e o seu objectivo é ajudar a clarificar quem está a começar a estudar.

Os três conceitos que vamos abordar este artigo são: PaganismoBruxaria Wicca.

Outros conceitos serão adicionados mais tarde, com a colaboração de outros praticantes desses mesmos caminhos!

  • Paganismo

Imagine uma árvore bem grande e forte, com um tronco bastante largo. Esse tronco largo, é o Paganismo. O Paganismo é o tronco de uma árvore. É um conjunto de caminhos religiosos e espirituais que possuem entre si diversas características comuns. O Paganismo pode ser "dividido" de duas formas:

Paleo-Paganismo: são as práticas pré-cristãs (celtas, gregas, romanas, aztecas, maias, egípcias, etc.)

Neo-Paganismo: a reconstrução dessas mesmas práticas ou sua adaptação para a sociedade actual, no qual se enquandram a Wicca, Neo-Druidismo, Reconstrucionismos, etc.

Esta divisão é mais no campo de entendimento histórico, do que própria divisão, dado que o termo Neo-Paganismo nem sempre é usado, sendo quase sempre, abreviado para Paganismo (apesar de ainda existirem práticas pagãs antigas, no caso de tribos isoladas, etc.).

O Paganismo (acima referido como Neo-Paganismo, termo cunhado pelo autor Oberon ZellRavenheart) possui algumas características que são comuns a todos os caminhos dentro do mesmo, a todos os ramos da árvore. Estas características são, por norma, a sacralidade da Natureza, a existência de um culto (seja ele monoteísta, animista, politeísta, duoteísta, etc.) e a utilização da manipulação de energias, de diversas formas (Magia, terapias holísticas, etc.). Apesar de, este último factor, não ser existente em diversas tradições do Paganismo, por isso, há que ter sempre isso em conta!

O Paganismo é, assim, o culto da Terra. A ligação à Natureza. Seja essa ligação estabelecida directamente ou, noutros casos, através de entidades/divindades representativas da Natureza isso, especificamente, já depende do caminho dentro do Paganismo que cada pessoa segue.

O Paganismo, dado ser (como fiz alusão anteriormente) um caminho muito vasto acaba por ter imensas e imensas vertentes no seu interior. Nestas últimas décadas vimos surgir a Wicca, Neo-Druidismo, Neo-Xamanismo, Reconstrucionismo Celta, Reconstrucionismo Egípcio, Recontrucionismo Romano, Recontrucionismo Helénico, Reconstrucionismo Nórdico (Asatru, Odinismo, etc.) e muitos outros caminhos diferentes, no entanto, todos eles pagãos! Aliás, até religiões orientais (como o caso do xintoísmo) podem ser consideradas como pagãs!
Mas isso é material para outro artigo, deixemos as controvérsias fora disto!

  • Bruxaria

"A Bruxaria é um ofício que utiliza a magia natural (= magia da natureza) para obter fins específicos". Esta é uma frase retirada do conceito de Bruxaria que estava no site Bruxaria.net e que eu considero simplesmente genial e remonto sempre a ela quando desejo definir Bruxaria. A Bruxaria é algo pagão, porque se foca em cultuar a Natureza e as suas formas. Não se cultua, necessariamente, um Deus ou uma Deusa mas sim a Natureza e as suas formas e expressões. A Bruxaria é um ofício, é uma ferramenta. É o uso da magia natural associado ao culto da Natureza.

Claro que depois existe a Bruxaria Tradicional e a Bruxaria Moderna mas, esses conceitos serão explicados num artigo específico para cada caminho!

  • Wicca

A Wicca é uma religião ou caminho espiritual que surgiu por volta da década de 1950 na Inglaterra, pelas mãos de Gerald Gardner. Gardner afirmava que este era um culto antigo na Inglaterra mas, com o passar do tempo, veio-se a entender que era um caminho bastante recente, criado por Gardner e com diversas influências de Aleister Crowley, da Golden Dawn, entre outras influências. Gardner era muito viajado e percorreu o Mundo para conhecer as diversas culturas e cultos e acabou por criar o que hoje conhecemos por Wicca.

A Wicca é um culto duoteísta que se concentra em duas divindades: A Deusa e o Deus. Estas duas divindades possuem diversas faces, podendo ser encaradas como Deusa e Deus ou como um outro Casal Sagrado, presente numa mitologia à escolha do praticante.

Na Wicca são celebrados os 8 festivais da Roda Ano (Samhain, Yule, Imbolc, Ostara, Beltane, Litha, Lughnassadh e Mabon) que são as celebrações da Natureza e a passagem das estações, associadas ao Mito da Roda do Ano, que poderá ser visto na secção das Celebrações. Para além destas festividades, na Wicca ainda se celebra os Esbats que são celebrações de Lua, sendo que são realizados rituais ou celebrações relacionados com cada fase da Lua em questão.

A Wicca é dividida em duas principais ramificações: Wicca Tradicional e Wicca Moderna. A Wicca Tradicional é a vertente mais antiga, baseada nos trabalhos de Gerald Gardner e de Alex Sanders sendo que é bastante rígida e conta com a presença das Leis Wiccans, obrigatoriedade de ritos 'skyclad', entre outros aspectos. A Wicca Moderna, como o próprio nome indica já conta com um método mais aberto, dado que é a junção de todos os novos caminhos que surgiram e ainda surgem dentro da Wicca e que contam com uma maior liberdade de trabalho e com a presença, em vários casos, da "auto-iniciação", conceito introduzido por Raymond Buckland.

Na Wicca existe, como em todos os lados, diversas controvérsias. A principal é relacionada com a Iniciação. A Wicca é, tradicionalmente, um caminho iniciático e sacerdotal (isto significa que é um caminho no qual a Iniciação é obrigatória e todo o iniciado é Sacerdote). A controvérsia em torno deste assunto trata-se que a vertente tradicionalista acredita e defende que a Iniciação deverá ser feito dentro de um coven estabelecido e com todas as regras que isso incluí, enquanto grande parte da vertente Moderna defende o conceito de "auto-iniciação". Neste artigo não pretendo abordar esse tema, apenas mostrar que o mesmo existe.

Por fim é importante realçar a forte ligação existente na Wicca pelo culto à Natureza e pela fertilidade, algo que está sempre presente na prática Wiccana tal como, é necessário, realçar a utilização da Magia e da Bruxaria enquanto ofício, por parte de grande parte dos Wiccans.

*** 

Algo essencial a reter deste artigo é que Paganismo =/= Bruxaria =/= Wicca. Os três conceitos não são sinónimos. Paganismo é um vasto leque de caminhos. Bruxaria é um ofício. Wicca é uma religião. A Wicca é sim considerada um culto pagão e utiliza sim a Bruxaria MAS o Paganismo não é todo Wiccan nem a Bruxaria é toda Wiccan. É algo que é necessário saber fazer distinção. Cada coisa é a sua coisa e tem o seu conceito, suas características e não estão, necessariamente, todos envolvidos (aliás, na maioria dos casos, nem existe ligação entre a Wicca e os restantes caminhos pagãos ou práticas de Bruxaria).

0 comentários:

Enviar um comentário