Bem-Vindos. Sentem-se em volta da fogueira, peguem uma xícara de chá e comecemos a aprender os mistérios antigos e a desvendar segredos esquecidos.
Trilhem connosco a floresta sobre o olhar atento da Lua...

Novos artigos serão sempre publicados à segunda-feira e à sexta-feira.




sexta-feira, 22 de julho de 2016

Roda do Ano - Lughnassadh

Data Tradicional: 1 de Fevereiro (No Hemisfério Sul) e 1 de Agosto (No Hemisfério Norte)

Data Astrológica: Sol a 15º de Aquário (HS) ou Sol a 15º de Leão (HN)

Lughnassadh (pronuncia-se “lu-na-sa”), também denominado de Véspera de Agosto, Primeiro Festival da Colheita e Lammas é um dos Sabbats Maiores e é realizado tradicional no 1 de Agosto (HN) e 1 de Fevereiro (HS). Astrologicamente ocorre quando o Sol está a 15º de Leão no Hemisfério Norte e a 15º de Aquário no Hemisfério Sul.

Este festival é a polaridade de Imbolc pois enquanto em Imbolc lança-se as sementes, em Lughnassadh colhe-se os frutos. Notasse também esta polaridade no facto de nesta altura o Hemisfério contrário celebrar esse festival.

Lughnassadh é um festival de origem celta, em honra do Deus Solar Lugh. Daí vem o seu nome “Lughnassadh” que é traduzido para “celebração a Lugh”. É neste dia que o Deus Sol se transforma no Deus das Sombras e se sacrifica pela Terra. A Deusa possui o papel de Mãe mas prepara-se brevemente para o seu cargo como Anciã.

A Terra encontra-se rica e abundante e os homens colhem dela o que plantaram, em preparação para os tempos frios e rigorosos do Inverno que se aproxima a passos largos.

Lammas pode ser considerado uma espécie de Acções de Graça para os Pagãos. É nesta altura que se agradece à Terra e à Deusa pelas colheitas abundantes e ricas e em que se partilha com os outros, como forma de celebração. Se tiver oportunidade e abundância na sua vida, tente dar para os outros que não têm ou que têm menos. Partilhe com o seu semelhante a sua abundância.

No Mundo Contemporâneo não temos mais as colheitas típicas de antigamente, em que o Homem plantava a terra e colhia de lá o seu sustento. Porém, ainda hoje plantamos sementes e colhemos os seus frutos. Plantamos esperanças e desejos e colhemos os seus resultados. Aproveite este tempo da Roda para agradecer à Deusa por tudo o que tem e tudo o que recebeu. Caso possua jardim, colha as suas ervas e frutos. Lembre-se sempre de deixar uma oferenda para a Natureza como forma de agradecimento pelo sacrifício que a planta faz ao dar parte de si para nosso benefício.

Esta época do ano é bastante marcada pela presença do pão. O pão pode ser algo que representa todos os elementos, pois todos são necessários para a sua criação. Portanto, uma ideia para Lughnassadh será fazer pão caseiro (pode fazer pão de milho ou pão de trigo, por exemplo) e utilizar no seu ritual, partilhar com a sua família ou oferecer à Natureza ou aos Deuses. Também o trigo tem um papel importante neste Sabbat, sendo um dos produtos colhidos e um dos pontos fulcrais na criação do pão.

Falando de oferendas, um dos costumes europeus, para agradecer à Deusa a abundância desse ano, era sacrificar (através de uma fogueira) partes das melhores colheitas, como forma de garantir que nas colheitas seguintes a abundância fosse igual ou maior. Ainda hoje essa prática é comum, através da queima de pedidos ou até mesmo de oferendas. As oferendas nunca devem ser produtos obtidos de um animal, mas sempre da Terra.

A criação de bonecas de milho é outro dos costumes de Lughnassadh. São criadas bonecas de milho e colocadas no altar para simbolizar a Deusa e, durante o ritual, são queimadas as do ano anterior, como forma de atrair sorte para a vida do praticante.

Quanto ao altar durante o festival de Lammas, este pode ser adornado com cores da época, aquelas que são observadas na Natureza (vermelhos, amarelos, verdes…), com espigas de milho ou grãos colhidos durante a estação. Também as bonecas de milho, acima referidas, são presenças típicas nos altares pagãos.

Algumas plantas habituais deste Sabbat são o milho, o trigo, o centeio, o girassol, a aveia entre outras que encontramos na Natureza e nos fazem lembrar esta altura da Roda do Ano. Quanto às comidas, para além do pão que já foi referido, pudemos incluir comida que seja característica desta colheita. Pode ser frutos/plantas que tenha plantado no seu jardim e acabou de colher ou pode ir a um mercado de agricultura ou feira do género onde sabe que se encontram os frutos e comidas da época, comprar os produtos e fazer algumas receitas em casa.

Falando dos símbolos que caracterizam este Sabbat, pudemos falar do milho, as bonecas, coisas ligadas à casa e relacionadas com as colheitas, a vassoura, o forno e a comida.

0 comentários:

Enviar um comentário