Bem-Vindos. Sentem-se em volta da fogueira, peguem uma xícara de chá e comecemos a aprender os mistérios antigos e a desvendar segredos esquecidos. Trilhem connosco a floresta sobre o olhar atento da Lua...

Novos artigos serão sempre publicados à quinta-feira.



segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Roda do Ano - Mabon

Data Tradicional: 21 de Setembro (No Hemisfério Sul) e 21 de Março (No Hemisfério Norte)

Data Astrológica: Sol a 15º de Libra (HS) ou Sol a 15º de Aries (HN)

Mabon (pronuncia-se “mêibon”), também denominado de Sabbat de Outono, Equinócio de Outono, Festa do Milho-Rei e Alban Elfed, é o Segundo Festival das Colheitas. Tem lugar quando o Sol está a 0º de Libra (no Hemisfério Norte) e 0º de Áries (no Hemisfério Sul), ou seja, ocorre por volta de 21/22/23 de Setembro (no HN) e Março (HS).

Os Equinócios são pontos de equilíbrio, onde a Luz e a Escuridão estão iguais. A partir desta data, o período escuro do ano começa e a escuridão vence uma vez mais. Relembro que escuridão não significa algo mau, é somente uma referência à falta da intensidade do Sol e o começo e vitória do Inverno. As noites tornar-se-ão mais longas e os dias mais curtos, até que o Deus nasça, em Yule.

O equinócio é sentido como sendo o fim da alegria do ano e, as cores das folhas douradas, agora começam a desvanecer e a cair com mais intensidade, deixando as árvores nuas e preparadas para o rígido Inverno que se aproxima.

Nesta altura colhem-se as frutas e as uvas maduras e iniciam-se as chamadas desfolhadas do milho com os seus, subtis, mas presentes, comportamentos cerimoniais à volta do “Milho-Rei”.

O Milho-Rei (ou o Phallus de Fogo) é a espiga de milho de cor vermelha, que é muito rara. Dizem as tradições ibéricas dos camponeses que quem encontrar essa espiga tem de beijar todos os membros do sexo oposto.

A Lua no céu é dourada, em analogia às folhas douradas que caem das árvores e os grãos de milho que vão ser moídos ao som dos cânticos do povo. As desfolhadas são rituais já antigos na cultura popular, quando chega esta altura do ano. Esta prática reúne as várias pessoas das aldeias e localidades num ritual nocturno, recheado de músicas e festas. 
Uma das figuras desta prática é o Serandeiro, um encarapuçado de negro que aparece no meio da festa, armado com uma lanterna, pedindo beijos às raparigas mais belas e aparecendo de súbito, gemendo como um fantasma, para assustá-las.

Alguns dos alimentos típicos deste festival são os produtos que contenham milho e/ou trigo, pães, nozes, frutos secos, maçãs, raízes (cenouras, cebolas, batatas, etc.), romãs, tomates, etc. Quanto às bebidas é comum a Sidra e o Vinho.

O Altar é caracterizado pela presença de cores outonais (vermelhos, laranjas, castanhos, etc.), presentes na natureza. Também pode ser adornados com espigas de milho, cornucópias, folhas secas, maçãs, etc.

Mabon, tal como Lughnassadh, também é considerado um dia de Acção de Graças Pagão. Muitos praticantes dizem ser em Lughnassadh, outros dizem ser em Mabon. Historicamente, Mabon é mais correcto, mas é como preferir.

0 comentários:

Enviar um comentário