Bem-Vindos. Sentem-se em volta da fogueira, peguem uma xícara de chá e comecemos a aprender os mistérios antigos e a desvendar segredos esquecidos.
Trilhem connosco a floresta sobre o olhar atento da Lua...

Novos artigos serão sempre publicados à segunda-feira e à sexta-feira.




segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Roda do Ano - Imbolc

Data Tradicional: 1 de Fevereiro (No Hemisfério Norte) e 1 de Agosto (No Hemisfério Sul)

Data Astrológica: Sol a 15º de Aquário (HN) ou Sol a 15º de Leão (HS)

Imbolc (pronuncia-se “Imólg”) também chamado de Oimelc, Dia da Senhora ou Candlemas, é um dos Sabbats maiores e é festejado, tradicionalmente, no dia 1 de Agosto (no HS) e no dia 1 de Fevereiro (HN). Astrologicamente ocorre quando o Sol está a 15º de Leão no Hemisfério Sul e a 15º de Aquário no Hemisfério Norte.

Imbolc, etimologicamente, significa “lactação de ovelha”. Era nesta altura que nasciam os pequenos cordeiros e, como tal, iniciava-se o processo de lactação das ovelhas em que estas forneciam leite, tanto às suas crias como à população que delas dependia. Como tal, o leite tem um papel bastante importante neste festival e pode ser utilizado e incluindo nos seus ritos. 
Imbolc é, como eu referi na Tríade nº 3 (Fevereiro ’10), a polaridade de Lughnassadh pois enquanto em Imbolc estamos na altura em que se lança as sementes para a Terra, em Lughnassadh irá colher-se os frutos.

Imbolc é um festival do Fogo e da Luz. O Deus Sol nasceu em Yule e agora começa a subir alto nos céus e, apesar da sua presença não se fazer notar ainda, sabemos que ele está a erguer-se lentamente do frio e escuro do Inverno.

Este festival é de origem Celta e, para os celtas, a lareira era algo bastante importante principalmente num festival como Imbolc que, devido ao frio que se fazia sentir no exterior, era celebrado acima de tudo a nível mais familiar e mais íntimo. O fogo é um factor importante neste festival. Referimo-nos ao Fogo que desencadeia a inspiração poética e que cura os males do corpo e da alma e que força e cria e molda as armas e os instrumentos agrícolas tão necessários para a sobrevivência das populações. Este, simboliza também a Luz que venceu as Sombras do Inverno e o Sol que se ergue no Céu e que irá, futuramente, fertilizar as terras com o seu brilho e calor para fazer nascer as sementes do seu interior.

Um dos costumes de Imbolc, é acender velas e fogueiras, como forma de iluminar a noite e assim dar energia ao Sol para subir mais e mais alto no Céu.

Imbolc, como muitos outros costumes pagãos, também foi adoptado para a prática cristã e recebeu o nome de “Candlemas” ou, em português, “Candelária”. Este tornou-se um festival enraizado na cultura cristã e, inclusive, na Península Ibérica existe um ditado que profetiza o tempo, relacionado com esta celebração, que diz “Se a Senhora sorrir, muita chuva está p’ra vir! Se a Senhora chorar, o Verão está a chegar!”.

Em muitas regiões pela Europa, tendo em conta que este festival ocorre em Fevereiro, este marca o começo do Carnaval, como uma espécie de grande festival que celebra a emergência da Primavera. Nesta altura as trevas do Inverno ainda predominam e a força Solar, o Deus Sol, ainda está dependente da Deusa na sua figura de Mãe. O Carnaval, vem tratar disso mesmo, de despedir dessa imagem maternal e acolher a Primavera, a altura em que a Deusa se torna a Donzela.

Existe uma tradição de construir uma Cruz de Brighid (ou Brígida), em nome da Deusa Brígida, da Cultura Celta, bastante presente neste festival. Esta Cruz tem o propósito de servir protecção para as pessoas. São tradicionalmente colocadas algures na casa, para a proteger.

Imbolc é também uma altura apropriada para purificações e limpeza, sendo que estamos num momento de renovação. O Inverno chegou ao fim e a Primavera começa. Portanto, pode aproveitar este festival para limpar a sua casa, tanto fisicamente quanto energeticamente e a mesma coisa com o seu próprio corpo.

Quanto ao seu altar, pode ter bastantes velas, como referi, a Luz é um ponto fulcral deste Sabbat. E pode predominar, em termos de cores, rosas, vermelhos, marrons, brancos, etc.

Quanto as simbologias deste festival e que podem estar presentes, tanto no ritual quanto no seu altar pessoal, podemos salientar a presença da vassoura, as cruzes de Brígida, velas e outros símbolos de Luz e flores, como amarelas e brancas, para simbolizar o Sol.

0 comentários:

Enviar um comentário