Bem-Vindos. Sentem-se em volta da fogueira, peguem uma xícara de chá e comecemos a aprender os mistérios antigos e a desvendar segredos esquecidos. Trilhem connosco a floresta sobre o olhar atento da Lua...

Novos artigos serão sempre publicados à quinta-feira.



segunda-feira, 3 de abril de 2017

Como criar um ritual?

Este artigo pretende ser apenas uma base de como criar um ritual simples, seguindo a estrutura tipicamente utilizada na Wicca e que pode ser adaptada a outros caminhos. Não é para ser seguido "à risca" e sem adaptações, é apenas uma orientação para quem está a começar e não sabe ao certo como criar os seus rituais, como estruturar as suas práticas. Assim sendo com este artigo iremos abordar alguns pontos essenciais na criação e organização de um ritual.

O primeiro ponto a ser abordado é o plano do ritual. Evite ir para um ritual sem ter uma estrutura definida, assim previne situações como precisar de um incenso específico para o que quer fazer e não ter, precisar de uma oração e ter-se esquecido do papel onde a tinha escrito, etc. Planeie tudo e estruture como vai decorrer o ritual. Para que é? Qual a finalidade? Qual a duração aproximada de tempo que pode dispensar para ele? Como é o espaço? Estas são perguntas importantes a serem respondidas na fase de planeamento. As invocações e frases a serem proferidas podem, ou não, ser escritas com antecedência, isto ficará ao gosto do praticante: Há quem goste de já ter tudo organizado e escrito e que prefira deixar dar asas à imaginação do momento. Faça uma lista dos instrumentos que precisa, do que vai usar, como vai ser o ritual e tenha tudo à mão. O segundo ponto está incluído no primeiro e é a escolha das correspondências: Organize quais os incensos, velas, ervas, óleos e todos os materiais que vai utilizar com base nas suas necessidades, a fase da Lua que vai escolher para realizar o ritual, a altura do dia, etc. 

De seguida é necessário, e ainda ligado ao primeiro ponto, é escolher as divindades ou entidades que iremos contactar ou, na ausência destas, estabelecer as alternativas (elementos, elementais, etc.). Recorde-se de evitar iniciar um ritual com uma divindade ou entidade que não conhece. Investigue sempre um pouco da história e mito da divindade/entidade para estar familiarizado com o que esperar. Evite, principalmente no início, misturar panteões e também Deuses cujos mitos são opostos (ex: Evite um ritual com Cronos e Zeus, afinal de contas, nos seus mitos existem conflitos entre as suas divindades e poderá gerar uma energia desagradável no ritual).

Agora vamos para a parte prática. O primeiro passo é preparar o espaço, pode fazer uma purificação ao espaço que iremos utilizar. Pode ser feito com incenso, ervas queimadas ou até com água e sal. Também pode tomar um banho de água e sal e ervas relacionadas com o ritual que está a fazer. Arrume também o seu altar, caso tenha ou vá utilizar um, e garanta que dentro do espaço mágico estão todos os ingredientes e materiais que precisa para evitar ter de "cortar" o círculo para ir buscar algo.

Após garantir que está tudo correcto e pronto pode lançar o círculo e traçar o espaço mágico. Existem imensos métodos para tratar o círculo e isto depende de cada praticante. Depois do espaço mágico estar pronto está na altura de realizar o feitiço que pretende realizar ou celebrar o rito em questão, no caso de celebrações sazonais é nesta altura que se inicia o rito em si.

Se estiver a realizar um feitiço que envolva canalizar e elevar energia (o chamado Cone de Poder, por exemplo) é após realizar as celebrações ou feitiços que pode realizar. Não se esqueça, claro, no fim de fazer o aterramento das energias (deitando-se no chão com as palmas das mãos para baixo e sentindo a sua energia voltando à Terra e recebendo outras energias também). Tenha sempre precaução ao lidar com as energias, principalmente as suas, e garanta que faz o aterramento corretamente para garantir que evita efeitos secundários como náuseas, cansaço, nervosismo, etc. devido à falta de aterramento das energias.

Por fim faça o encerramento do ritual, fechando o círculo, agradecendo a presença de todas as divindades e entidades. Desfaça o espaço que organizou e referente às velas e incensos deixe arder até ao fim, exceptuando nas situações em que o ritual que está a organizar pede especificamente que seja dado outro fim aos materiais (queimar, enterrar, colocar num rio ou mar, etc.).

Este é um planeamento muito simples e básico de um ritual para quem está a começar e não está acostumado a realizar ritos. Resumindo:

  1. Planeamento do ritual
  2. Escolha das divindades ou entidades (ou as alternativas, dependendo da prática de cada um)
  3. Preparação do espaço
  4. Traçar o círculo e dar início ao ritual
  5. Celebração/Feitiço/Parte central do ritual
  6. Levantamento e Canalização de Energia (se aplicável)
  7. Aterramento de energias (recomendável)
  8. Encerramento do ritual
E, por fim, não se esqueça de escrever no seu Livro das Sombras ou no seu registo pessoal sobre o rito realizado. Pode aproveitar o planeamento que fez para facilitar e, no fim, adicionar os seus comentários. Como correu? Quais os resultados? Como foi a sensação? O que sentiu? O que viu? etc. O apontar e guardar as suas experiências permite não só ter registos para repetir posteriormente mas também para analisar o que já foi feito, o que funcionou, o que não funcionou, etc.

E vocês, leitores? Qual o vosso método favorito para realizar rituais? Qual a estrutura que usam?

0 comentários:

Enviar um comentário