quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

# Paganismo # Quotidiano

O Recolher do Inverno


Estamos a chegar perto do ponto que marca o equilíbrio entre a parte escura e a parte clara do ano, entre o frio do Inverno e o calor do Verão: O Equinócio da Primavera (ou Outono, para o Hemisfério Sul). Por isso gostaria de abordar uma temática bastante interessante e que se torna bastante útil na nossa prática diária e de conexão com a Natureza: O Recolher do Inverno.

Nos tempos antigos, dos nossos Antepassados, ainda antes de surgir a luz elétrica o dia era gerido em torno do Sol. As pessoas acordavam com o nascer do Sol para iniciar as suas tarefas e e a sua vida diária e, ao final do dia com o pôr-do-sol, retornavam a casa para jantar em família e dormir. Inclusive há registos que os ciclos de sono antigos eram diferente dos actuais pois eram constituídos por pequenas pausas ao longo do sono, a meio da noite. E, claro, com o passar das estações também se via diferenças nas rotinas, sendo que no Verão e Primavera a maioria do dia era passado no exterior fosse a cultivar os campos ou a tratar do gado ou até mesmo apenas a aproveitar o Sol e a claridade para fazer atividades ou passeios, enquanto no Inverno, com a neve e a escuridão, vinha o recolher dentro das casas e o foco em atividades de interiores como criar instrumentos, tecer, costurar, etc. E, também, no Inverno havia uma maior união das famílias que se reuniam em torno da fogueira e na mesma divisão (dado que a maioria das casas tinha apenas um ou duas divisões) a realizar os seus trabalhos. 

Actualmente, nos tempos modernos, com a eletricidade veio também a possibilidade de ter a casa toda iluminada de luz e, consequentemente, perdeu-se o ritmo do Sol e de acordar e dormir conforme o nascer e pôr do Sol, sendo que muitos de nós ficamos acordados nos computadores ou telemóveis até largas horas da noite, tendo ciclos de sono confusos e alterados de um dia para o outro. Não sentimos a diferença do Verão e do Outono excepto no factor que faz frio e está a chover ou a nevar. Nas nossas rotinas não há, propriamente, um impacto destas mudanças sazonais. Assim é a vida moderna. 

E... será que isso tem impacto em nós? Há vários estudos que falam do impacto do Inverno no humor e na personalidade das pessoas, com os "Winter Blues" e semelhantes. A maioria são atribuídos à falta de Sol e Vitamina D mas, questiono: Será que os ritmos do nosso corpo não terão também impacto? O Inverno convida-nos, tal como convidou os nossos antepassados, ao recolher. 

Apesar de vivermos numa sociedade urbanizada e moderna não deixamos de ser o que sempre fomos: Animais. O ser humano é um animal e, como animal, tem ritmos naturais. O que fazem os animais no Inverno? A maioria recolhe às suas tocas, às suas cavernas. Hibernam. Descansam. O Inverno chama-nos a abrandar os nossos ritmos e a olhar para dentro. A aceitar a escuridão do ano e abrandar. E este abrandar permite ao corpo recarregar energias e alinhar-se com a Natureza e com o nosso redor. O Inverno não é igual nem tem a mesma duração em todos os lados. O recolher é diferente de pessoa para pessoa, de animal para animal. É único mas transformador e, quiçá, essencial para o corpo e para a mente. 

Claro que isto na vida moderna, principalmente para quem tem empregos e escola ou universidade, é algo muito difícil. Não podemos apenas dizer aos patrões ou professores "Não venho às aulas/trabalho porque vou recolher-me em mim mesmo". Porém, será que não há algo que possamos fazer? Há sempre. 

Convido-vos a uma pequena experiência: Coloquem os vossos dispositivos (telemóveis, tablets, computadores) em modo nocturno, isto vai mudar a cor do ecrã para uma tonalidade mais quente e que magoará menos a vista e, ao mesmo tempo, vai estimular menos o cérebro. A partir da hora do pôr-do-sol ou uma hora que cheguem a casa, acendam apenas luzes e lâmpadas de cores quentes e acendam poucas luzes, deixem que fique um ar mais escuro e quente pela casa. Desliguem os telemóveis e das redes sociais a partir de uma determinada hora, antes de dormir. De forma a que tenham uma ou duas horas sem estímulos tecnológicos. Acordem ao nascer do Sol e saúdem o Sol. Caso não possam (trabalho turno nocturno, entram mais cedo ao trabalho, etc) quando acordarem, e o Sol estiver erguido, cumprimentem e reconheçam a sua importância. Não tenham medo de dedicar-se a atitudes mais internas e mais profundas durante o Inverno. O Inverno é uma época genial para ler, meditações, pinturas, trabalhos manuais e todo o tipo de atividades de interior. Podem começar a estudar algum tema que vos interesse ou começar um novo projecto para arrancar na Primavera! Cuidem de vocês com banhos de ervas e cristais, chás ou bebidas quentes, mantas e toda uma atmosfera quente e de Inverno. Tal como os animais retornam às suas tocas confortáveis, também nós devemos ter a nossa toca onde nos refugiar do frio da estação.

Há imensas formas de adaptar a nossa vida moderna aos ritmos antigos e naturais das estações e estas formas permitem-nos estabelecer uma maior conexão com a Natureza e com os ritmos da Terra em nosso redor. 

E vocês? Quais as vossas formas preferidas de experienciar o recolher do Inverno?

[Recomendo esta compilação de sons de gelo para acompanhar o artigo, para quem quiser!]

Sem comentários:

Enviar um comentário